Vida a dois: como preservar o relacionamento? 1


O que iniciou seu relacionamento? Algumas pessoas iniciam pela amizade, amor, paixão ou ate mesmo afinidade em projetos de vida como negócios ou desejo de ter uma família. Como terapeuta individual e familiar, acho super importante manter os vínculos iniciais. Dessa forma, vocês escolheram ficar juntos.

Conscientes ou não daquilo que esperavam um do outro vocês foram se conhecendo e construindo intimidade com palavras, olhares, escolhas. Hoje pensando, você faria alguma coisa diferente? Um pedido de desculpas? Mais paciência? Mais gentileza? Compreensão?

Cuidar dos detalhes do relacionamento

O tempo traz varias situações que precisamos fazer escolhas. As famílias se conhecem e se agregam, as vezes são fontes de ótima convivência e outras geram conflitos ou ciúmes. Alias, muitos casais procuram terapia de casal devido a interferência negativa de familiares no relacionamento.

Não é difícil um membro da família ultrapassar limites e isso precisa ser conversado e resolvido. O problema é que as vezes não conseguimos prever as dimensões do que pode vir acontecer, talvez em um dia que você não estava bem e falou algo sem pensar. Ou quando seu parceiro(a) não estava bem e você não percebeu ou estava cansado para conversar naquele momento.

Muitos homens e mulheres magoam-se com facilidade. Preservar o relacionamento requer sensibilidade, empatia, dialogo e cuidar desses detalhes emocionais. Por situações aparentemente simples como esquecer de levar o lixo ou comprar o leite sem lactose, podem haver complicações sem o dialogo. As situações que não agradam vão se somando e pode levar a crises ou explosões emocionais.

Pratique o dialogo com inteligência emocional

Quando você conversa de forma sincera e esta aberto aos seus sentimentos e pensamentos pode ir preenchendo os espaços vazios da incompreensão. A falta da inteligência emocional gera muitas complicações e magoas, podem dar espaço a frustração, ciúmes, solidão, expectativas.

O bom dialogo leva a compreensão, ouvir-se, descobrir coisas novas sobre o parceiro(a), podem apoiar um ao outro e fortalecer o relacionamento. A medida que o relacionamento vai crescendo, a admiração e carinho mutuo vão aumentado. Nada como ter no cônjuge um melhor amigo para conversar e poder contar para a vida.

Aceitar as Diferenças de personalidade

Algumas pessoas não gostam de certas características no parceiro e esperam com o tempo que ele(a) mude. Isso pode virar um problemão quando o incomodado(a) se dar conta que a pessoa é  assim e não vai mudar, a não ser que ela queira mudar.

Amar é aceitar o outro como ele é, reflita o que fez você se apaixonar, os momentos bons que vocês passam juntos. Cada um tem um tempo de aprendizado, alguns são melhores em umas coisas e outros noutras. Por exemplo, você pode ser excelente em finanças e aplicações e seu cônjuge ser uma pessoa super afetuosa, admirada pelos amigos e sempre lembrando dos detalhes que você gosta.

Cobrar do outro o que ele não pode mudar ou não sabe como pode levar a brigas e discussões. Isso desgasta o relacionamento. Lembre-se que o dialogo precisa ser construtivo. Quando se julga ou critica acidamente o parceiro(a) gera-se um desconforto no relacionamento, gera-se bloqueios de comunicação. Ficar insistindo no que incomoda vai gerar um agravamento da situação. Nesse caso eu sugiro uma terapia de casal para ter um contexto adequado para conversar e averiguar como é esse dialogo.

Resolva os problemas do relacionamento rápido

Pequenos problemas podem se tornam um grande obstáculo no relacionamento. Evite isso através do dialogo com inteligência emocional, sensibilidade, cuidando dos detalhes. Se não conseguem sozinhos, busquem orientação especializada.

Preservem o relacionamento evitando contar seus problemas íntimos para amigos ou familiares. Por mais que você precise desabafar é  um caminho perigoso. As outras pessoas vão te passar conselhos que usam para suas vidas sem levar em consideração o que você quer, ouvir seu parceiro(a).

Normalmente a família acha que esta ajudando dando conselhos, mas na pratica, vejo como terapeuta, piora muito os problemas do casal e gera distanciamento. Quanto mais tempo se passa com os conflitos não resolvidos, novos conflitos vão aparecendo e desencadeiam as crises emocionais ou explosões emocionais. E as doenças psicossomáticas como obesidade, estresse, ansiedade, terror noturno, baixo desempenho no trabalho, dores de cabeça, dores no peito.

Cuide de você para estar bem para seu parceiro(a).

Nunca se esqueça de cuidar de sua individualidade, da sua felicidade pessoal. Seu cônjuge se apaixonou por quem ele conheceu. Se você anular-se ou ir se modificando para agradar pode acabar perdendo sua essência, seus valores.

Reflita sobre seus propósitos, quem você era antes do relacionamento e como você esta hoje. Entenda os pontos fortes e fracos do seu relacionamento. E permita-se ser uma pessoa melhor, aprender com os desafios, conversar, sair de comportamentos automáticos. Aproveite a oportunidade do seu relacionamento.

 Quantas pessoas se arrependem por não terem dado mais atenção ao seus sentimentos e ao parceiro(a)? Permita-se dar espaço para a maturidade, o entusiasmo a dois. Reflita: o que você pode aproveitar melhor? Onde você pode estar omisso ou errando? Podia brincar mais com seus filhos? Tomar decisões diferentes? Fazer um momento especial com seu parceiro(a)?

Relacionamentos bons requerem coragem, atenção, amizade, sensibilidade e auto cuidado. Saiba valorizar seu relacionamento. E se precisar pode contar comigo.

É necessário que as pessoas não se tratem como objetos, mas se relacionem amando-se de forma produtiva e reciproca (Erich Fromm)


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Um pensamento em “Vida a dois: como preservar o relacionamento?