Trauma de conviver com pessoas mentirosas


As pessoas saudáveis psicologicamente tem a tendência de acreditar nas outras, mesmo que a intuição aponte inverdades.

A pessoa que se descobre traída ou chocada por descobrir a verdadeira personalidade por trás de mentiras sofrem com o choque da descoberta, desilusão, decepção. Também da raiva, revolta e culpa por ter acreditado ou pior, ter se doado (na maioria das vezes essas pessoas são carentes e se fazem de vítimas), perder tempo, ser usado(a), ser humilhado(a), ridicularizado(a).

Dependendo o tempo e grau de intimidade a pessoa traída também pode desenvolver ansiedade em relação a relacionamentos, dificuldade de voltar a confiar, depressão. A mentira deixa uma marca, um trauma, um karma para quem o pratica e a lição para quem passou pela experiência.

Como eu não percebi antes? E como eu saio disso?

As pessoas sem personalidade autentica constroem personagens para agradar a sociedade e receber atenção. São muito inteligentes, possuem ótimos discursos, são detalhistas. Ou seja, você não vai perceber no início. Vai perceber com o tempo, através das atitudes contraditórias, mudanças repentinas de humor e conceitos.

O maior desafio será você sair da teia do mentiroso(a). Daí vai entrar caráter e auto estima, quanto mais valores saudáveis mais rápido será o rompimento de relacionamento após descobrir as inverdades. Quem é verdadeiro(a) preza por relações verdadeiras.

A pessoa que faz da mentira um modo de viver, criando realidades paralelas pode sofrer de vários transtornos. Mitomania (transtorno da mentira patológica), Transtorno dissociativo (dupla personalidade), bipolaridade, entre outros.

Podem ser extremamente sedutoras. No início são agradáveis, tendem a distorcer pequenas coisas ou contar “mentirinhas”. Por exemplo, a pessoa se diz independente, mas na verdade é sustentada por um ex ou pais. A pessoa diz que é médico, mas na verdade nem tem formação nenhuma. A pessoa se apresenta como solteira, mas na verdade é casada.

Constrói-se um mundo de fantasia na qual ele(a) acredita ser verdade. E tem muitos argumentos que justificam suas atitudes. Gostam de alimentar o ego, são frios, insensíveis, narcisista que visa alimentar o eu ideal.

Raízes da Mentira

Negar a realidade pode iniciar na infância com as “mentirinhas”, na verdade a pessoa tem medo da punição, relação de confiança prejudicada entre os pais. A pessoa aprende a negar os problemas.

Também podem criar uma realidade falsa para se defender da experiência traumática como abusos sexuais, físicos ou psíquicos. Ao passar por essas situações, as crianças começam a desenvolver outras personalidades com o intuito de se defender dessa exposição prejudicial. Esses personagens atuam como objetos de autodefesa para suportar momentos de dor e angústia.

Trauma da manipulação

Pessoas depressivas e codependentes tem a tendência de ter relacionamentos conflituosos. Por serem muito carentes, baixa auto estima, ausência de limites, não saber dizer não, quando encontram o “príncipe” ou “princesa” que satisfaz necessidades imediatas acabam caindo nessas armadilhas.

A verdade aparece com o tempo. As atitudes, muito mais que discursos, revelam as pessoas. Um exemplo muito comum é a infidelidade. Um conjunge passa a ter uma vida dupla causando constrangimentos sociais, familiares, profissionais.

Outro exemplo é a inveja, comum na família ou profissionalmente. Pessoas bem sucedidas atraem mal intencionados que se tiverem espaço tentarão destruir toda a paz e felicidade conquistada.

É preciso ter inteligência emocional para lidar com essas situações. Se tomar o rumo do descontrole e fúria podem ocorrer violência, perda de vínculos, traumas familiares, exposição social. E é o que as pessoas falsas gostam, atenção e drama.

Dicas para identificar Mentiras / Falsidade

* Tendem a isolar-se de amigos, dos familiares e das pessoas intimas. Isso facilita esconder a verdade e manter mentiras.

* Culpa os outros por seus conflitos. Por exemplo, um cenário muito comum é quando um parceiro suspeita de uma traição e o outro faz um escândalo, acusando-o de estar “vendo coisas” ou sendo dramático.

* Necessidade de controle, possessividade.

* Comportamento sedutor que visa ultrapassar limites sem sofrer consequências.

* Não tem freio antes de ferir os outros * Quando acuado com a verdade, atribui a culpa ao outro.

* sente-se incomodado(a) ao vê-lo(a) bem, feliz, progredindo.

* faz muitas promessas ou elogios querendo ganhar intimidade. Exageram os detalhes.

Relações Abusivas

À medida que este parceiro(a) abusivo(a) sente-se confiante com sua manipulação, podem acontecer humilhações, perseguições e ataques direitos. Ele pode atribuir às suspeitas e demandas emocionais da vítima a sua incapacidade de se satisfazer com a relação, insegurança, falta de auto estima, emoções descontroladas e assim por diante.

Codependencia afetiva, gaslighting são exemplos de patologias afetivas que tem esse padrão de maltratar e desrespeitar o próximo em benefício próprio. O que torna esses relacionamentos muito sofridos é o desgaste psicológico até ver a realidade e tomar uma decisão.

Muitas pessoas preferem ilusões do que a realidade, a zona de conforto. Mas tem um preço amargo a ser pago.

Superando um relacionamento Traumático.

O primeiro passo é a consciência. Pior que a mentira é aceita-la e vive-la. Romper com ela é uma decisão. Questão de caráter, valores.

Se você tem dificuldade nessa área, comece hoje a buscar a viver suas verdades. Lutar por caráter íntegro e verdadeiro, mesmo em uma sociedade que vive de aparências. É possível se recuperar após essas tragédias amorosas, é importante buscar ajuda para entender porque você atraiu isso para sua vida. E ajuda para recomeçar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *