Tratamento psicológico para depressão 1


Uma das doenças emocionais de grande sofrimento psicológico é a depressão ou transtorno depressivo. Entre seus tipos, pode ser de luto, pós parto, sazonal, crônica, recorrente, atípica, distimica, melancólica ou bipolar.

Aqui neste texto vou focar mais a depressão crônica ou depressiva maior, que atendo bastante na pratica clinica e exige acompanhamento psicológico próprio e com sensibilidade para a demanda. E também vejo resultados positivos nessa abordagem da psicologia analítica para depressão.

A depressão crônica é diagnosticada quando a pessoa encontra-se deprimida por mais de 6 meses, manifestando sintomas como: apatia, desinteresse pela vida, isolamento, distúrbios alimentares (comem compulsivamente ou quase não se alimentam), sensação de vazio que nada preenche, crises de choro.

Esse um conjunto de sintomas ajudam a identificar o diagnostico, crises ou avaliar o grau da depressão, se esta leve ou forte podendo ter ideação suicida em ultimo grau. Esse transtorno afetivo também afeta os familiares que sofrem ao ver a pessoa mal e as vezes ficam sobrecarregados por isso.

é uma doença tratável, na qual pode se ter qualidade de vida através do acompanhamento psicológico e as vezes psiquiátrico, simultaneamente. A falta de acompanhamento psicológico pode agravar os sintomas gerando vários prejuízos em todas as áreas da vida.

Consciência Emocional

Um elemento importante da psicoterapia analítica na depressão é a consciência emocional.

Perguntar e observar a si mesmo: estou bem? estou diferente? Preciso de ajuda? A identificação precoce previne crises emocionais e internações. Isso é feito ensinando o paciente (pode ser estendido a família também) a identificar e mapear seu humor, sentimentos, sensações corpóreas.

Existem varias técnicas em psicoterapia na qual a pessoa identifica seus altos e baixos, o curso da depressão em sua vida. Tambem lidar com conflitos conjugais ou familiares devido a doença. Isso vai mudando a forma de ver a si mesma(o), aos outros e o futuro.

Outro elemento importante é a hipersensibilidade em relação a rejeição e criticas. O paciente pode aprender a manejar melhor acontecimentos estressantes de sua vida. Muitos processos depressivos são desencadeados por luto pela perda de alguém, perda da noção de si mesmo saudável, conflitos com pessoas próximas, déficit de habilidades sociais, filhos de pais separados, problemas de relacionamento entre adolescentes.

A psicoterapia ajuda o paciente a definir e avaliar prioridades, técnicas para resolução de problemas. Muitos pacientes perderam a capacidade de sentir prazer, a conexão com a alma, falta de forca na vida. Muitos tem dificuldade para se concentrar e tomar decisões.

Foco na modificação de crenças e padrões negativos

é constatado cientificamente que pessoas que mudam crenças disfuncionais de forma profunda ter menos propensão a terem recaídas no futuro. Em cada sessão mergulha-se no histórico emocional, terapeuta e paciente trabalham juntos em um objetivo em comum.

O sofrimento humano não é só consequência das adversidades, mas de como a realidade foi construída e interpretada. Pensamentos, desejos, comportamentos podem manter padrões de infelicidade e fracasso pessoal.

Exemplos de crenças irracionais: “eu preciso sempre ter um ótimo desempenho. se eu fracassar eu serei ruim e mereço sofrer” Esses são padrões inconscientes construídos desde a infância e vistos pela pessoa como uma realidade. O sofrimento existe, é real. Negar o sofrimento faz com que ele aumente.

Depressão silenciosa

Muitas pessoas tem a tendência de negar o sofrimento ou fazer invalidação emocional. Como se não fosse justo nem correto sofrer, encaram o processo com indignação. Existem duas formas de sofrimento: o consciente e o sofrimento causado pelas tentativas de evita-lo ou fugir dele. Quando foge muito mais sofrimento se atrai, ate que acontece uma coisa ruim atrás da outra, expressando o quanto somos impotentes diante do emocional.

Muitas pessoas com depressão lutam contra essa realidade, tentando evita-la ou apenas tomando remédios e tornam-se vitimas do sofrimento. é o caso das pessoas que cometem suicídio e ninguém entende o porque. Para evitar isso precisamos ter empatia por nosso sofrimento e ter compaixão por quem não esta bem. Ouvir, sugerir buscar ajuda.

As pessoas dão sinais que não estão bem. Mas são invalidadas na maior parte das vezes: “isso é frescura”, “vai arrumar o que fazer”, “falta uma igreja”, etc. Precisamos ser empáticos com nosso lado humano, sentimentos. A inteligência emocional é perceber a alma do outro, reconhecer o outro e diante do sofrimento dar apoio, uma palavra de conforto, inteligente.

As mesmas pessoas que negam e julgam o sofrimento são as que ficam se lamentando e reclamando da vida, essas atitudes pouco nos ajudam, Contaminam negativamente o ambiente, espalham pré julgamentos. Toda pessoa tem algo a melhorar, a evoluir e aprender.

Conquistar a paz interna

A maioria das pessoas com depressão tem como objetivo terapêutico encontrar paz interna. Essa conquista é um processo que deve ser feito com carinho. Reconhecer o negativo, compreender suas raízes, dizer sim para receber ajuda especializada, dizer sim para atitudes positivas.

Praticar o auto perdão com recaídas, aprender a lidar com a mente negativa, aceitar o real como real, ter uma decisão firme de querer aprender e mudar. Aceitar que a vida não é fácil, temos sentimentos paradoxais em relação a muitas situações e mesmo assim podemos fazer as pazes com nosso mundo interior.

A busca por conhecer as causas do nosso sofrimento, sua origem facilita um sentido maior para superar as dificuldades trazidas pela depressão. Quando temos um encontro verdadeiro conosco podemos lidar com nossas limitações. Cuidar das emoções com atenção e profundidade que merecem. Ter energia para lidar com dores.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Um pensamento em “Tratamento psicológico para depressão

  • Marcelo

    Gostaria de parabenizar pelo site e pelo blog. Já tive depressão, era incompreendido por minha família, é uma doença solitária, mas superei buscando ajuda psicológica.