Psicoterapia é Auto Cuidado


Que tal entrar em um espaço sagrado para você se compreender melhor e aumentar sua clareza emocional? Isso é fazer psicoterapia. Em uma sociedade voltada a sobrevivência, status e desenvolvimento intelectual as emoções vão ficando em segundo plano.

As questões emocionais vão se acumulando e se repetindo, piorando com o passar do tempo e das gerações. O chamado “piloto automático” vai evitando as situações difíceis e reproduzindo os padrões emocionais familiares.

A geração dos anos 60 e 70 foi bastante reprimida e consequentemente viveram muita repressão emocional. O resultado são adultos com dificuldades de falarem sobre seus sentimentos e tinham que engolir os traumas que aconteciam ao seu redor. Por traumas pode-se citar: comparações entre irmãos, adoções entre famílias, alcoolismo, abuso sexual, excesso de trabalho, machismo, conflitos conjugais, suicídios, acidentes, entre outros.

A geração dos anos 80 e 90 já abraçou a época da expansão dos consultórios de psicologia e psiquiatria. E teve pais que cansaram do sistema de apenas sobreviver e decidiram aproveitar a vida. Nesse contexto observamos mais mudanças na vida das pessoas. Divórcios por violência doméstica ou insatisfação conjugal, preocupação com bem estar sexual, decidir por uma carreira ao invés de ter filhos, romper com um sistema familiar toxico, internações para usuários de drogas e doenças mentais graves. Já se verifica muitas pessoas voltando-se ao auto cuidado. Sair do piloto automático e decidir a própria vida.

Nas gerações seguintes de 2000 em diante vai inverter-se o sentido da busca. Antes pela sobrevivência agora focada no prazer imediato. Conquista-se a liberdade de identidade sexual, crenças, fazer a vida como se deseja focado na satisfação imediata. E o ser humano mergulha em uma nova crise: perdido com tanta liberdade, transtornos de ansiedade, transtornos de identidade e emocionalmente destaca-se a infantilidade.

Um emocional infantil parou em alguma etapa da vida. Pode ter havido traumas ou serias questões emocionais. Super proteção. A infantilidade não deixa a pessoa se desenvolver completamente. Logo não consegue ter relacionamentos com profundidade ou duradouros, uma carreira profissional ou consistência nos projetos da vida. Resume-se na geração atual, um conflito entre a sobrevivência, status e realização pessoal.

Então o auto cuidado, independente da geração, é de suma importância para o auto conhecimento e equilíbrio emocional. Equilíbrio para dar-se conta de toda bagagem emocional dos antepassados e ao mesmo tempo construir a si mesmo. Fazendo escolhas assertivas que tragam paz interior e resiliência ao longo do caminho.

Lembrando que psicoterapia não é tomar medicamentos. Esses ajudam na parte bioquímica, mas apenas a reflexão terapêutica gera movimentos psicológicos capazes de realmente efetivar mudanças duradouras. O uso de medicamentos sem o devido acompanhamento psicológico pode manter a pessoa no piloto automático e até piorar os transtornos mentais.

Auto cuidado é parar um tempo para refletir. Investir no seu bem mais precioso, você mesmo, sua saúde mental e emocional. Como viver sem a bússola interior regulada? Dai vem toda a violência, infantilidade e fragilidade emocional da sociedade atual. Muito status e pouca saúde mental/emocional.

Esse texto é para lembrar-lhe que você não precisa ser resultado do meio social ou boneco do seu inconsciente. Se você precisa fazer um balanço interior, permita-se entrar nessa jornada. Auto cuidado é amor. Amor por si, pela vida. Qual foi a última vez que você investiu no amor próprio?

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *