Fobias e Pânico


Sentir medo é uma defesa natural do ser humano afim de alertar o sujeito de que algo pode estar ou dar errado. Porém, quando o medo passa a interferir em situações cotidianas, como dirigir ou viajar, é necessário buscar ajuda especializada.

A sensação de medo, por exemplo, existiria em toda cultura, mas o principal seria: Em que situações? Qual a intensidade do medo? Em que esse medo difere do pânico? O pânico é aceito nesta sociedade? Ou o pânico é acompanhado pela vergonha ou humilhação? O pânico é entendido como uma reação natural ou como uma fraqueza?

O medo não é só uma reação emocional, contendo crenças por trás. As fobias podem começar a se manifestar desde a infância e podem evoluir com o passar do tempo para a chamada Síndrome do Pânico.

O que acontece com a maioria dos adolescentes e adultos, é que os mesmos convivem, durante grande parte de suas vidas, com medos e incertezas quanto ao futuro, o casamento, os filhos e a profissão, mas só recorrem a terapia numa idade mais avançada, quando a fobia aparece com maior intensidade.

Na síndrome do pânico a pessoa sente um descontrole levada a tal ponto que se ultrapassa o que se pode suportar. O coração dispara, a respiração torna-se difícil, o controle psicomotor se perde.As fobias e o pânico podem aparecer em inúmeras situações.

O que é certo, é que elas sempre aparecem na hora menos oportuna podendo causar vários constrangimentos, devido a seus sintomas de mal estar, pavor e desmaio. Em casos de traumas como acidentes de transito, violência social e doméstica, estresse no trabalho a fobia pode aparecer nos próximos meses após o trauma. A pessoa evita lugares que a lembrem do sofrimento e pode acabar se isolando para não reviver aquelas sensações de pânico.

Sinais para procurar ajuda:

* É importante estar atento aos sinais do corpo como cansaço, estresse, esgotamento, crises de choro. Esses sintomas servem de alerta para situações que podem gerar fobias posteriormente.Quando não existe um trauma especifico, as causas das fobias e pânico estão no passado.

Situações vividas no passado, na infância ou adolescência, de tensão, ansiedade, conflitos, desentendimentos, agressão física / verbal, sensação de solidão, rejeição podem manifestar-se na vida adulta após algum evento estressor ou ainda, em uma fase tranqüila.

Superando com a Terapia…

Cada medo tem um significado, que pode ser explorado para que ele diminua e seja superado. Quando a vida traz situações desnorteantes, é preciso ir além. Situar-se em si mesmo, em um plano de consciência: porque eu vivo no medo e me frusto? Como acolher o que me faz mal? O pânico pode trazer consciência de aspectos que o sujeito desconhece nele mesmo. Fazer um balanço das situações que não fazem bem e que necessitam de mudanças.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *