Psicoterapia Conjugal: qual meu jeito de amar? 1


teaser_casalCompreender a dinâmica de um relacionamento amoroso é o inicio para quem busca melhora-lo ou até, entender suas escolhas e vivências afetivas.

No meu trabalho com casais desenvolvido na Mente Feliz, utilizo a abordagem psicanalítica. Essa fundamenta-se no estudo da atuação dos fatores inconscientes sobre o relacionamento. Isso é fantástico pois proporciona consciência diante de buscas frustradas por um parceiro(a) ideal, relacionamentos insatisfatórios, relacionamentos marcados por violência psicológica-verbal-física, entre outros.

Esta abordagem envolve dois princípios fundamentais para entender os princípios de atração. São eles:

1)    Fatores Inconscientes – As motivações que impulsionam as pessoas a sentirem-se atraídas, ou seja, a escolha do parceiro e o que mantem a relação estão relacionadas a crenças, sentimentos, valores inconscientes. Por exemplo, quem possui medo da solidão (falta de auto estima) pode sentir-se atraído(a) por quem não sabe amar e vai abandona-lo(a); pessoas que tiveram lares com grandes desajustes – bebida, infidelidade – e desenvolveram narcisismo e negação em relação à infância podem atrair outro narcisista e reviver todos os traumas. Ou seja, tudo que não foi resolvido, volta buscando uma solução.

the-tree-of-life-print-c12813851A dinâmica de relacionamento e o modelo de amor recebido na infância influencia as futuras escolhas. Assim pode-se atrair um parceiro que complemente e some, tendo uma experiência verdadeira de amor ou, ao contrário atrair aquilo que mais se tem medo que aconteça e repetir um modelo traumático familiar.

A atração sentida pelos cônjuges não se fundamenta somente na percepção de aspectos “bons” ou “ruins” de cada um deles, mas na percepção inconsciente. Isso faz com que as pessoas não se deem conta no inicio porém com o tempo a relação toma o gosto da decepção.

Inconscientemente a escolha é feita geralmente a partir de uma complementaridade, ou um “encaixe de personalidades”. Isso vem a explicar a teoria que os opostos se atraem.

2)    Elementos de criatividade e destrutividade – Henry Dicks (1963) salienta que sujeitos com muitos traumas sofrem de uma compulsão a repetição. Os relacionamentos são novas tentativas de lidar com o passado e resolver conflitos antigos, o que não costuma dar certo no caminhar do relacionamento. Por que isso ocorre? Para se construir uma relação harmoniosa é preciso, em primeiro lugar, estar de bem consigo mesmo.

casamento-feliz-001

Refletindo sobre esses dois pilares que regulam o processo de atração e repulsão pode-se perceber que o casal, na maioria das vezes, desgasta-se entre fatores inconscientes, muito além de seus entendimentos. A psicoterapia é uma experiência libertadora pois explora o passado, buscando resolver sentimentos mal resolvidos em relação ao Amor e a capacidade de amar.

É importante entender as condições fundamentais que o amor verdadeiro exige e que devem ser encontradas nas pessoa madura que são: respeito, responsabilidade, conhecimento de si e do outro, comprometimento com o outro.

Quantas pessoas conseguem amar incondicionalmente? São livres em expressar adequadamente o que sentem e valorizam suas relações? Somente com o desenvolvimento de uma auto estima saudável e amor próprio isso será possível. É preciso muito dialogo, auto conhecimento, paciência e construir uma vida a dois respeitando as diferenças da singularidade.

 O processo terapêutico…

11165230_874559635970071_7600689192711912485_n

 A terapia de casal é realizada com sessões para a relação. Não existe o “eu” e sim o “nós”. Por isso não são realizadas sessões individuais nesta modalidade, somente para o Casal, ou para o Relacionamento. O terapeuta não toma partido, não é um juiz e sim uma ponte de reflexão e mediação.

Essas sessões conjuntas melhoram a escuta, dialogo, auto conhecimento, parceria, conhecer as necessidades do outro, construir projetos adequados conforme cada fase do relacionamento.  A capacidade de amar só é adquirida plenamente na madureza pessoal. É necessário que as pessoas não se tratem como objetos, mas se relacionem amando-se de forma produtiva e reciproca (Erich Fromm)

fale-comigo-juliana-garcia

Busque ajuda profissional, a psicoterapia pode ser uma oportunidade de transformar suas escolhas afetivas em oportunidades de afetos verdadeiros e satisfatórios. Assuma um compromisso com a vida que você deseja, através de suas atitudes. Permita-se.

Lisiane Hadlich Machado – Psicóloga & Psicanalista – Psicoterapia Individual & Familiar & Consultora Organizacional – consultorio@mentefeliz.com.br


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Um pensamento em “Psicoterapia Conjugal: qual meu jeito de amar?