Alienação Parental: como lidar com genitores narcisistas?


Este é um tema de fundamental importância envolvendo pais, filhos e separação. É um assunto bastante pertinente na psicologia jurídica e avaliações familiares. E para pessoas que desejam entender porque foram separados de seus pai ou mãe ao longo da vida.

Quantos filhos perderam o contato com um de seus pais após um processo de separação? Quantos pais se afastaram dos filhos devido a brigas intensas na hora de visita-los? E quando o genitor usa o filho para agredir o ex cônjuge, através da pensão, guarda ou agressões de imagem?

Antes do conceito jurídico da alienação parental muitos filhos foram separados de seus pais após separações e divórcios. Cresceram ouviram uma parte da historia, muitas vezes acreditavam ter sido abandonados pelos genitor que não fazia parte da sua vida. Felizmente com as redes sociais, internet, muitos genitores que estavam afastados conseguiram voltar para a vida de seus filhos, quando estes já são adultos.

Esclarecer a historia da separação, o porque ficaram separados, estabelecer um vinculo quando existe amor de ambas as partes são marcos na vida dos filhos e genitores que sofreram alienações parentais.

O que é alienação parental?

Quando um genitor utiliza o filho(a) para agredir o cônjuge, denigrir sua imagem perante o filho ou causa medo, chantagem, desconforto quando o filho vai visitar o ex. Pode ser falando mal do seu pai/mãe, inventando historias, acusando-o pela separação. Ou seja, envolver a criança ou adolescente no conflito conjugal.

E quando o genitor ou família que mora com a criança impede ou dificulta o ex de ver seu filho, exercer direito parental.

Sinais de atenção no comportamento dos filhos:

Se você separou-se há pouco tempo e percebe seu filho diferente nas visitas ou quando chega de visitas, observe sinais de alienação parental. E se for o caso converse com seu advogado de guarda.

* agressividade verbal ou física, acusações.
* criança precisa relatar tudo que esta fazendo durante visita, sob ameaças do outro.
* excesso de preocupações, como querer controlar o dinheiro da pensão ou vida social dos pais.
* medo, pânico de deixar um genitor sozinho
* Queda de rendimento escolar, recusa em estudar
* Crises de choro ao ver o genitor
* recusa em aceitar a separação dos pais
* transtornos alimentares
* doenças nervosas psicossomáticas- dores de cabeça, estomago.

Comportamentos clássicos de um genitor alienador:

* recusa ou dificulta ligações telefônicas, presentes aos filhos
* desvaloriza ou insulta o outro genitor na presença dos filhos
* impede o outro genitor de exercer seu direito de visita
* toma decisões importantes a respeito do filho sem consultar o outro genitor
* ameaça punir os filhos se eles telefonarem ou entrarem em contato com o genitor
* falsas denuncias de abuso físico
* reação de medo e ódio por parte dos filhos

O que é o narcisismo parental?

Relacionado a alienação parental temos a personalidade narcisista. Pessoas narcisistas só enxergam a si mesmas, costumam ser negativas, julgadoras e destrutivas, tem sua visão de mundo como verdade absoluta. Como não sabem ter um dialogo saudável, nem empatia quando algo sai fora do controle delas, como uma separação ou opinião do filho, explodem emocionalmente tornando tudo mais pesado e difícil, as vezes trágico.

O narcisista acha que só ele esta certo e tenta controlar tudo e todos. Impõe sua visão de mundo, chantageia, manipula de uma forma que quem ouve questiona se não esta errado. Geram culpa, duvida, magoa, humilhação na tentativa de controlar o outro a fazer o que ele acha certo.

São pessoas que no fundo estão sempre amarguradas, remoendo que as decepcionou no passado, tem muito medo que algo de errado ou os filhos passem por uma situação ruim. Isso gera comportamentos de super proteção e os filhos serão pessoas infantilizadas, com dificuldade de tomar decisões próprias, baixa auto estima.

Entre as formas de amar mais egoístas e destrutivas encontra-se a possessividade. Quanto maior esse sentimento, mais difícil será um processo de separação. Esse pode ativar crenças de rejeição, abandono causando um grande desequilíbrio emocional e surtos, o que deve ser tratado com medicamentos pela psiquiatria e psicoterapia com psicólogo.

Sem tratamento e recuperação emocional, pode-se perder a guarda dos filhos. E quem cresce nesses ambientes tem marcas emocionais para toda a vida. O narcisista projeta seus problemas em quem esta na sua intimidade. O importante é buscar ajuda e não se calar diante de violências (emocional, física, sobrevivência).

A agressividade do cônjuge narcisista que não aceita a separação, envolve os filhos em um processo de vingança, fazendo-os participar emocionalmente dos conflitos da relação, o que os mesmos não tem condição emocional para se defenderem.

Nessas situações, a criança é levada a odiar e rejeitar um genitor que a ama, a contradição dos sentimentos produz uma destruição dos vínculos que, se perdurar por muito tempo instaura um processo crônico de sentimentos de desamor e abandono. 

Como lidar com o narcisismo parental?

Quando não há uma evolução nem desejo de melhorar por parte do narcisista, os familiares e amigos se afastam. Alguns com mais compaixão, inteligência emocional ou por visar receber valores financeiros dos narcisistas conseguem conviver dentro de limites que não os afete psicologicamente.

O narcisismo não é saudável, exige muita tolerância e a na maioria das vezes acaba gerando mal estar diversos. Quando confrontados, tendem a ser agressivos, explosivos, invertem o jogo e se fazem de vitimas. E essa invalidação emocional meche muito com as emoções infantis, carências da infância. Enquanto vivencia-se essas experiências agressivas afetivamente, pode abrir feridas antigas e causar uma depressão grave, risco suicida, risco de agressão física. 

O ideal se você é filho(a) de um narcisista é ouvir a si mesmo, seu corpo, conhecer seus limites, investir em auto conhecimento. E aprender a ter limites bem definidos em relações com abusadores emocionais. 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *