Tentativa de Suicídio na Adolescência


Olá! Decidi escrever esse texto para trazer a temática da depressão a tona, tanto na esfera pessoal quanto familiar.

A depressão acomete muitas crianças e adolescentes. Normalmente ocorre mais branda na infância. Exemplo: tristeza, crises de choro, isolamento, dificuldade de convívio social, agressividade. Na adolescência, esse padrão emocional pode virar crises sérias com tentativas de tirar a própria vida no sentido de “fazer o sofrimento sumir”.

ad5

Uma característica que gosto muito em crianças e adolescentes é que eles são verdadeiros. Ou seja, tem a capacidade de mostrar seus sentimentos e falar com clareza como veem a vida e as pessoas. Essa simplicidade torna-se complexa na medida em que precisam se adaptar as regras sociais, o adolescente busca encaixar-se em alguma tribo, busca ser aceito e ao mesmo tempo tudo questiona para entender. Já é uma fase naturalmente difícil, a ponte da infância para a fase adulta.

Pais conscientes emocionalmente costumam dar-se conta quando seu filho(a) necessita de um auxilio psicológico. Nesses casos, buscam a terapia de família como orientação familiar. Isso possibilita entender o sistema familiar e poder ajudar melhor no amadurecimento emocional do jovem. Bem como entender e lidar com crises depressivas.

No caso de um sistema familiar que já possui depressão não tratada ou outros desajustes emocionais a situação da depressão do jovem será mais delicada, se não for ignorada. Infelizmente, tenho constatado pelos atendimentos clínicos que muitos pais ignoram o sofrimento psicológico de seus filhos. Por falta de conhecimento, ignorância, preconceito e outras questões particulares acabam confundindo as crises da adolescência e deixando passar a doença da depressão. Até que acontece uma tentativa de suicídio.

Um jovem que deseja morrer não sofre de frescura e não deve ser ignorado. Como terapeuta  sei que é uma das maiores dores de um ser humano. O ser humano nasceu para viver, desenvolver-se, ser reconhecido por suas capacidades, encontrar seu lugar no mundo e ser feliz. A busca pela morte é o caminho inverso. No auge do sofrimento, torna-se uma ideia para eliminar tantos sentimentos ruins e negativos. Sem amparo, sem um olhar mais sensível, o mundo perde esses jovens para o desespero.

Na fase das crises suicidas é comum os pais buscarem auxilio psicológico e psiquiátrico. Acredito que 5% das famílias desses jovens também faz acompanhamento terapêutico, o que seria muito importante no tratamento da depressão. Na maioria dos casos, apenas o jovem faz a psicoterapia, tendo ou não apoio de seus familiares.

Felizmente, a maioria dos jovens que acompanhei e passaram por psicoterapia superaram as demandas da depressão. Claro que os jovens que tem apoio familiar tornam-se mais fácil do que aqueles cujos pais não entendem a importância do tratamento. Ter um filho(a) que vai no psicólogo requer entendimento do que pode ser melhorado em si mesmo, traz mudanças no sistema familiar, questionamentos. Nem todos estão prontos para mudar dai gera-se o medo de buscar ajuda. Entretanto, a vida segue e a própria temática do suicídio mostra que ignorar é um caminho que apenas traz mais sofrimento.

ad3Toda começa por um reconhecimento do sofrimento. Buscar ajuda é um passo para sair dele. Não é um caminho fácil, mas traz os melhores resultados a longo prazo. O que já observo ao longo de 15 anos de consultório nos filhos dos meus clientes. Os pais que fazem terapia antes de serem pais ou durante o crescimento de seus filhos transmitem outras heranças emocionais. Nessa perspectiva me sinto feliz porque vejo os resultados da psicoterapia individual na formação de famílias saudáveis emocionalmente. Isso é realizador.

Esteja atento aos sinais da depressão. Na dúvida entre uma crise da idade e um sofrimento mais sério, agende uma avaliação psicológica ou uma sessão terapêutica. A prudência é uma boa companheira no cuidado com amigos e familiares. Procurar ajuda é uma forma de melhorar a nossa vida, encontrar novas possibilidades em um trabalho conjunto entre a psicóloga e o cliente.

superar_sofrimento_adolescencia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *